O advogado multidisciplinar


Olá queridos leitores!


Neste primeiro post de 2019, gostaria de abordar uma questão de suma importância para quem se aventura na carreira jurídica: a especialização em determinada área é o único caminho para um advogado seguir? Ainda há espaço para o chamado "advogado clínico geral", ou, como hoje muito se fala, ser um profissional multidisciplinar?


Neste sentido, entendo que ao sair dos bancos das universidades, após galgar o caminho (às vezes árduo) do exame de Ordem, o jovem advogado precisará, em algum momento, seguir com seus estudos, e a especialização (pós-graduação "lato sensu") é uma das alternativas que mais atende às expectativas deste momento. Isto porque, uma vez que se aprofunda em determinada área jurídica, seja ela qual for, o advogado certamente estará mais apto a atender às consultas, a se candidatar às vagas específicas, em escritórios especializados ou empresas, tudo com maior segurança, para si e para seu cliente.


A continuidade dos estudos, como já disse antes em outras oportunidades, é uma premissa que deve pautar a carreira do advogado. Assim, a especialização certamente é o primeiro passo.


A única crítica que faço, claro sem retirar o mérito daqueles que focaram suas carreiras em apenas uma área, é a probabilidade do advogado, em algum momento de sua vida profissional, se perceber "engessado" e, pior, por sua própria escolha. Sentir-se farto da mesmice é natural e inerente a todo ser humano.


Para que este problema não afete sua carreira, você pode, a par de uma especialização na área que mais lhe agrada, dar continuidade ao seu constante aprendizado, com estudos paralelos em outras direções, de forma autodidata, ou participando de cursos rápidos, chamados cursos de extensão - que hoje em dia, com o avanço da tecnologia, pode ser feito, inclusive, através de EAD, mais acessível a todos nós.


Tais estudos propiciarão ao advogado uma visão ampla sobre o mundo jurídico, que poderá ser muito útil de diversas formas. Além, claro, de possibilitar novas abordagens profissionais, mudanças de rota, e assim por diante.


A multidisciplinariedade jurídica certamente é uma tendência dos novos tempos - é a advocacia 4.0 dando suas caras. Falarei mais no próximo post. Fiquem ligados!


Abraços a todos!


Ana Maria Cantal